Site icon Cidades Portuguesas

Igreja de São Francisco de Assis no Porto

Igreja de São Francisco no Porto

A Igreja de São Francisco de Assis no Porto é o principal monumento do estilo gótico existente na cidade do Porto. Iniciou a construção no século XIV, no entanto, a sua configuração atual foi concluída em 1410.

O seu interior em talha dourada fez com que fosse descrita como a «igreja de oiro».

A fachada principal da igreja contém uma rosácea gótica, ricamente elaborada e decorada. É, assim, a única decoração original sobrevivente. O portal é, no entanto, um trabalho barroco, organizado em dois níveis, onde uma estátua de São Francisco de Assis é suportada por colunas salomónicas.

História da construção do convento

Alguém dera aos Frades Menores um terreno no sítio da Redondela, com dimensão suficiente para fazer nascer um convento. Inesperadamente, logo o início da obra foi embargado por faltar a autorização obrigatória do bispo da diocese.

Recorreram os Franciscanos a Dom Sancho II, que ordenou o prosseguimento da edificação, argumentando que a localização da Redondela ficaria para além do rio da Vila e, portanto, fora da jurisdição episcopal.

Como era de esperar, o polémico bispo não acatou a ordem real e expulsou violentamente os Franciscanos da cidade.

Doze anos passaram desde o início da construção embargada, perdidos em questões, recursos, e até falsas acusações. Até que chegou, enfim, uma enérgica intervenção papal, em 1244, que veio por fim ao diferendo.

Os frades voltaram de Gaia e, desse modo, terminaram o seu modesto convento.

E logo começaram a receber grandes auxílios, muitos vindos da própria corte cuja simpatia pelos Franciscanos portuenses era evidente.

Reconstrução da igreja conventual

A certamente singela igreja conventual primitiva seria reconstruída desde os fins do século XIV até 1425, data em que parece terem sido terminadas a cabeceira, a rosácea e outras obras que lhe acrescentaram grandeza e beleza gótica.

Para tal remodelação muito contribuiu uma carta régia de Dom Fernando, de 1383, mandando aplicar resíduos dos testamentos do Porto às obras que entretanto começavam.

Caraterísticas da Igreja de São Francisco

A arquitetura do Convento de São Francisco pertence ao tipo português das igrejas góticas, construídas pelas ordens mendicantes durante largo tempo.

O interior divide-se em três naves de arcos ogivais, vencendo cinco tramos e suportados por pilares de secção retangular, com finas colunas adossadas nas faces interiores, de capitéis zoomórficos e fitomórficos.

De caráter arcaizante, estes capitéis são assim referidos por Mário Chicó:

«…uma ornamentação fitomórfica puramente imaginativa e muito em voga no ciclo interior, ou quadrúpedes apontados, mas com os focinhos reunidos no ângulo do galbo. Perfeito românico!»

As naves têm cobertura de madeira, recebendo a central luz direta e intensa da grande rosácea elevada além das bem mais baixas naves laterais, e dos rasgos também superior a estas.

O coro assenta em abóbadas abatidas e revestidas com talha de magistral efeito decorativo.

Não mais belos, mas mais espetaculares, são os altares e as diversas capelas. Destaca-se, particularmente, a capela-mor e o seu arco cruzeiro, onde se acentuam valores plásticos de maior sumptuosidade.

Um janelão aberto no topo sul ilumina o alto transepto. O do norte foi tapado por construção exterior.

Capela de São João Batista

É no braço sul que podemos apreciar a Capela de São João Batista, ou dos Carneiros, projetada pelo famoso arquiteto Diogo de Castilho.

É coberta por uma abóbada nervada, e ornamentada por azulejos setecentistas. O seu retábulo enquadra uma boa pintura, da mesma forma quinhentista, O Batismo de Cristo, de autor desconhecido.

Túmulos de Isabel Brandão e João Sanches

A abside e as absidíolas (capelas laterais) são abobadadas e de plantas poligonais, como por certo era frequente neste tipo de igrejas. Junto à grade da capela-mor, num túmulo de mármore, jazem Isabel Brandão e seu marido João Sanches, em estátuas jacentes.

Túmulos de benfeitores

Noutras capelas, e perto de diversos altares, outras sepulturas guardam restos mortais de benfeitores do convento. Podemos, da mesma forma, apreciar obras de arte tal como a bela pintura mural a fresco, a Senhora da Rosa, que é atribuída a António Florentim, pintor da corte de Dom João I.

Frontaria do Convento

O incrível encosto do Palácio da Bolsa (entrada lateral) tapou-lhe um terço da nave norte. Decerto, seria difícil fazer pior!

No portal, acrescentado no final do século XVII, dois pares de colunas salomónicas ladeiam a entrada, de tal forma que suportam toda a ornamentação arquitetural.

Finalmente, a tudo isso se sobrepõem a belíssima rosácea gótica.

Frontaria da Igreja

O Claustro

O claustro, danificado por um incendio que destruiu grande parte do convento no cerco do Porto de 1833, foi então demolido para dar espaço ao Palácio da Bolsa, edificado pouco tempo depois.

Localização da igreja e como visitar

A Igreja de São Francisco de Assis no Porto fica na Rua Infante Dom Henrique, junto ao Palácio da Bolsa, como poderá ver no mapa.

Deixo aqui uma alerta, não é permitido tirar fotos no interior da igreja, apenas na capela e exposição.

Referências e bibliografia

Exit mobile version