Portalegre

Portalegre é uma cidade portuguesa, bem no interior de Portugal, localizada na região do Alentejo. É a capital de um distrito com 15 municípios e é a sede de um concelho com 7 freguesias.

Portalegre, Portugal

O município de Portalegre estende-se por 447 Km2 de área e é habitado por 23.049 pessoas. Está confinado pelo concelho de Castelo de Vide a norte, pelo Marvão a nordeste, a sul por Arronches e Monforte, a oeste pelo Crato e finalmente, a este por Espanha.

É uma cidade com tanta beleza, tantos cenários que merecem ser fotografados, merecendo assim uma visita mais demorada.

O que visitar

Não deixe de ir até ao Largo da Sé onde, além da Catedral, existem vários edifícios dignos de contemplação. É lá que está o Seminário, o Paço Episcopal, entre outros edifícios lindíssimos.

Outro centro importante é a Praça da República. Podem-se observar grandes palácios de famílias notáveis da terra como o Palácio Avilez (foi também o Governo Civil) ou o Palácio Achaioli (antigo Liceu onde foi professor o poeta José Régio).

Existem muitos pontos de interesse nesta cidade. Tentamos, nesta página, fazer uma breve descrição dos monumentos, museus e outros locais de relevo de forma a aguçar o seu apetite para que mais tarde visite este destino no interior de Portugal.

História de Portalegre

Fundação de Portalegre

Lápide Romana referente a Ammaia, exposta no Museu Municipal de Portalegre

Recuar a fundação de Portalegre até à pré-história é coisa que muitos tentaram fazer. Foi assim que nasceu a Lenda de Maia.

A lápide romana tem inscrito o seguinte texto (aqui traduzido): «Ao Imperador Lúcio Aurélio, verdadeiro Augusto, filho do Divino Antonino, Pontífice Máximo, investido no poder tribunício, cônsul pela 2ª vez, Pai da Pátria, dedicou o município de Ammaia.»

Foi a partir da sugestão do nome da povoação de Ammaia, que uma lenda foi sendo criada.

Lenda de Maia

Um dia passeava a bela Maia, filha de Lísias, pastoreando na companhia de Tobias. Do nada, surge Dolme, um vagabundo de má fama, que a quer tomar para si à força. Tobias tenta defendê-la mas o terrível Dolme, mais forte e habituado às coisas violentas, mata-o ali mesmo e leva Maia para parte incerta.

O pai, Lísias, parte desesperado à sua procura e chama pelo seu nome repetidamente: Maia! Maia!

Finalmente encontra-a, mas, infelizmente, já morta.

Enlouquecido pela tragédia, vagueia por esta terra repetindo incansavelmente o nome da sua querida filha. Maia! Maia!

Finalmente, quando Deus o chama para si, naquele último momento vê a filha estendendo-lhe os braços numa fugaz e ilusória aparição.
Ao lugar onde Lísias se fixara com os seus homens se passou a chamar Ammaia.

Aramenha

A cidade romana de Ammaia existiu, de facto, mas foi destruída. Sobre ela se edificou Aramenha. Esta povoação, ainda no princípio do século XX, exibia um arco romano em pedra rusticada mas, infelizmente, foi perdido no tempo. São Salvador de Aramenha fica perto de Portalegre mas é uma freguesia do concelho do Marvão. É a opinião unânime dos arqueólogos que Aramenha e Portalegre são duas realidades diferentes.

De Portelos a Portalegre

Na realidade, do que temos a certeza é que, em 1259, o rei D. Afonso III ordena a reconstrução da antiga povoação de Portelos. Esta pequena localidade tinha sido arrasada pelas escaramuças entre cristãos e muçulmanos. Dessa forma, este foral de D. Afonso III criava um novo concelho e dava-lhe o nome de Portus alacer, que depois derivaria para Portalegre.

Monumentos e outros edifícios

O Castelo

Castelo de PortalegreO mais notável testemunho gótico da cidade encontra-se na zona leste: o Castelo de Portalegre.

Muralha subcircular, com merlões no topo, uma torre secundária a oeste e uma torre de menagem a norte.

O castelo foi palco de uma pequena desavença entre irmãos.

As sobrinhas de D. Dinis estavam casadas com nobres influentes do país vizinho. Por esse motivo, D. Dinis decidiu não lhes conceder a herança das fortalezas de fronteira. Seu irmão, indignado com esta decisão que prejudicava as suas filhas, resolveu instalar-se e tomar posse do castelo de Portalegre.

D. Dinis, como é óbvio, não podia permitir que ninguém questionasse o seu poder e, por esse motivo, cercou a povoação com o seu exército. Este cerco durou 5 meses. Quando finalmente, em novembro de 1299, as tropas reais se preparavam para a tomada do castelo, a intermediação do rei de Aragão consegue evitar a batalha.

O rei perdoou o irmão na condição de lhe entregar incondicionalmente Portalegre, cuja fama e prestígio aumentara junto do soberano.

Foi também dentro destes muros que Pedro Álvares Pereira, irmão do Condestável D. Nuno, se refugiou quando na crise de 1383-85 tomou partido de Castela. Tentou, em vão, resistir ao cerco que as milícias nacionalistas do Mestre de Avis lhe impuseram. Assim, conquistada a praça forte com o auxílio dos próprios portalegrenses, a vila tomou, entusiasmada, o partido da independência. D. João I, após subir ao trono, concedeu a Portalegre o título de «Leal».

  • Localização: Rua Luís Barahona (antiga Rua do Castelo) (ver no mapa)
  • Horário: Terça a domingo, das 9:30 às 13:00 e das 14:30 às 18:00h (encerra às segundas-feiras)

Portas da Cidade

Porta do AlegreteEram sete (ou oito para alguns autores) as portas das muralhas que circundavam a antiga vila medieval. No entanto, apenas cinco sobreviveram ao tempo. Uma delas é a Porta do Alegrete (na imagem), a leste. Maciça, de arco de volta perfeita em tunel, com quatro janelas rasgadas no piso superior, lá bem no alto. Esta edificação é hoje conhecida pelos portalegrenses também por Arco de Santo António.

Localização da Porta do Alegrete: Praça da República, no extremo ocidental (ver no mapa)

A Porta da Devesa, também conhecida como Porta do Espírito Santo, também era importante. É a porta virada a norte que viu a sua configuração bastante alterada do original. Ficou a memória visual de uma porta ladeada por dois torreões nos relevos das pedras de armas de Portalegre. Era nesta porta que se cobravam os direitos de portagem. (ver esta porta no google maps)

Outras portas da cidade (que ainda existem):

  • Porta do Crato, mais conhecida por Arco do Bispo (mapa)
  • Poterna, ou Porta Falsa, situada ao fundo da Rua da Figueira (mapa)Porta do Postigo, junto ao castelo, originalmente situada na Rua do Carmo, foi deslocada na década de 1930 para o Largo dos Combatentes da Grande Guerra, ficando colada à muralha. (mapa)

As portas desaparecidas são:

  • Porta de Elvas, estava situada ao fundo da Rua de Elvas
  • Porta de Évora, estava situada ao fundo da Rua do Arco

Sé Catedral

Sé Catedral de Portalegre

Portalegre, no século XVI, era um centro económico muito relevante do reino. Aqui, o imposto sobre judiarias, por exemplo, era o quarto mais importante de Portugal, depois de Lisboa, Santarém e Setúbal. Não foi por isso estranho que a vila tenha sido elevada a cidade e criado o Bispado de Portalegre, em 23 de Maio de 1550.

Uma nova cidade e uma nova diocese necessitavam de uma nova catedral que substituísse a instalação provisória na Igreja de Santa Maria do Castelo. É nesse preciso local que, em 1556, se começa a edificar a nova Sé de Portalegre.

Arquitetonicamente, a igreja é muito semelhante, na planta, à Sé de Leiria. Por esse motivo, pensa-se que o arquiteto seria o mesmo – Afonso Álvares. Tem três naves, todas à mesma altura, com capelas laterais à face. As abóbadas, artesoadas, são quase planas e apoiadas em altos pilares quadriláteros de secção uniforme.

Finalmente, a Catedral tem ainda um claustro, encostado à nave lateral, que se acede por uma porta no transepto. Inclui cinco tramos de pilares quadrados e curiosos remates de cortina, espelhos e fogaréus, tem uma larga quadra, ao centro da qual se abre um poço igualmente setecentista.

Convento de Santa Clara

O Convento ou Mosteiro de Santa Clara é agora uma pálida imagem daquilo que foi outrora. Obra medieval, mandada edificar pela rainha D. Leonor Teles em 1376, preserva agora apenas uma parte das dependências conventuais.

Mosteiro de Santa Clara, atual Biblioteca Municipal de Portalegre

Atualmente alberga a Biblioteca Municipal de Portalegre.

Falta-lhe a dignidade da fachada, que está virada para a Rua de Elvas.

A torre de alvenaria com coruchéu redondo e janelas de adufas de tom arabizante, é o trecho mais marcante do mosteiro na paisagem de Portalegre. O interior, nomeadamente o claustro, já merece uma observação mais cuidada.

Convento de São Bernardo

O Convento de São Bernardo também é conhecido por Convento de Nossa Senhora da Conceição.  A sua construção teve início por volta de 1518, e tinha como objetivo albergar as irmãs bernardas da ordem de Cister. Normalmente eram donzelas de boas famílias sem dote.

Convento de São Bernardo em Portalegre

O templo do Mosteiro é de planta em cruz, e muito amplo, com três capelas na cabeceira. As coberturas são enervadas por um sistema relativamente simples e fazendo usi da ogiva. Nalguns pontos a abóbada é chata, como no cruzeiro, desenvolvendo-se epois, como é habitual, em extensão pela nave e transepto.

Túmulo do Bispo D. Jorge de Melo

Túmulo do Bispo D. Jorge Melo no Convento de São Bernardo em PortalegrePela qualidade supeiror do trabalho arquitetónico, este túmulo é atribuído ao escultor Nicolau Chanterenne, apesar de, numa das bases, se encontrarem esculpidas as inicias A.I.O.. Na verdade, essas inciais não correspondem a ao nome de nenhum escultor conhecido neste período.

Toda a arquitetura aqui criada com pórticos, frontões, colunas caneladas e tipos de candelabro, arquitraves, capitéis e até, atrás da cena principal, uma porta que se abre dando a ilusão de um espaço – ponto de fuga – que realmente não existe. A magistral composição está ainda revestida de elementos decorativos que vão dos querubins, sob os pés de Santana e São Joaquim, às fitas e mascarões do remate do arco.

Mas ladeando o corpo principal há dois outros corpos, simétricos, que apresentam em grandes baldaquinos as figuras de São Bernardo e São Bento, fundadores da Ordem, ladeados de colunas do mesmo tipo das do portal. Tudo isto assente sob um pedestal onde se explanam os mais variados grotescos, intercalados com dois medalhões com bustos.

Já funcionou neste local a Polícia do Exército. Atualmente, estas instalações estão afetas à Escola Prática do Agrupamento de Instrução da GNR (Guarda Nacional Republicana).

Palácio Amarelo / Casa Amarela

O Palácio Amarelo é de origem antiga, seiscentista, mas moderno no gosto rebuscado de anticlassicismo. O jogo de volumes e a cor fazem com que seja um dos edifícios mais conhecidos da cidade de Portalegre, quase um ex-líbris.

Palácio Amarelo de Portalegre, Portugal

A implantação na paisagem urbana dificilmente podia ser melhor: é possível usufruir de uma vista de quase 360 graus sobre a cidade.

Construção

A construção do edifício foi iniciada no século XVII para servir de residência aos descendentes do Conde de Abrantes, os Romos de Sousa Tavares. Durante o século século XVIII sofre diversas modificações entre as quais a da porta principal e a construção do varandim e janela que se lhe sobrepõe. O torreão foi construído apenas no século XIX.

Solar dos Avilez / Palácio Avillez

Palácio da Família Avilez em Portalegre (atualmente sede da PSP)

Este imponente edifício foi construído no século XVIII para residência do Conde de Avilez e sua família. Foi a rainha D. Maria II que, em 1838, cria este título para Jorge de Avilez pelos serviços militares prestados ao reino.
O corpo central mostra um frontão triangular com pináculos e ombreiras de rusticado. Os corpos extremos são coroados por torres barrocas em sinal de promoção urbana.

Até à extinção dos governos civis, o Governo Civil de Portalegre funcionava neste edifício.

  • Localização: Praça da República (ver no mapa)
  • Mais informação: Ficha do monumento no SIPA (Entidade Governamental)
  • Utilização atual: Sede da PSP (Polícia de Segurança Pública)

Hospital da Misericórdia

Existiu neste local uma pequena ermida no século XIV. No século XVI foram construídas a Igreja e o Hospital, substituindo o minúsculo hospital da misericórdia que já existia noutro local. Atualmente serve de sede da Santa Casa da Misericórdia de Portalegre e inclui, no seu amplo logradouro, um outro edifício com serviços sociais de apoio a cidadãos idosos.

Hospital da Misericórdia de Poratalegre

Quando o céu está azul, sem nuvens, é fascinante observar os frontões de emolduramento em amarelo vivo deste edifício, recortados no azul absoluto do céu de Portalegre.

São cinco corpos, marcados pelos cunhais – amarelos também – numa impressionante verticalidade de dois andares. Com catorze vãos; dois são pequenas portas, outro o portal armoriado, bem no centro; os restantes são janelas de sacada. O corpo central tem uma altura superior aos demais, com espaldar sem apoio de recorte curvo. Os outros frontões, também curvilíneos, são coroados por urnas.

  • Localização: Avenida da Liberdade (ver no mapa)
  • Mais informação: Ficha do monumento no SIPA (Entidade Governamental)
  • Utilização atual: Sede Santa Casa da Misericórdia de Portalegre

Santuário de Nossa Senhora da Penha

É, sem dúvida, o edifício que melhor simboliza o barroco de Portalegre. Reza a tradição que um ermita se isolou no monte e ergueu uma pequena capela para materializar a sua devoção à Virgem. Imediatamente se tornou um local onde a população procurava consolo e ajuda rezando a Nossa Senhora. Posteriormente foi construída uma capela maior, em 1675, de cunho popular, muito singela nas formas.

Capela de Nossa Senhora da Penha no município de Portalegre

O Santuário de Nossa Senhora da Penha apresenta o corpo retangular e capela-mor circular, fachada com frontão triangular simples e quatro pilastras pintadas de azul-vivo. É um exemplo de igreja de romaria, com o escadório que sobe a serra.

Igreja do Calvário

Capela do Calvário em Portalegre, Portugal
Mesmo ao lado do Convento de São Bernardo foi construída, nos finais do século XVIII, a Igreja do Calvário.

De planta cerrada e proporções harmoniosas, é pautada por uma sobriedade decorativa que, nesta época, era já apanágio do novo estilo marcante na arquitetura setecentista pós-pombalina portuguesa.

Tudo neste edifício é canónico, obedecendo a estritas regras de proporção, harmonia e implantação. Parece seguir os conceitos do arquiteto italiano Leon Battista Alberti, um dos mais inovadores do renascimento.

Museus de Portalegre

Museu Municipal de Portalegre

Museu Municipal de Portalegre, Portugal - InteriorO Museu Municipal está hoje instalado no antigo Seminário Diocesano, mesmo ao lado da Sé. Este edifício foi mandado construír pelo frei Amador Arraias nos finais do século XVIII.

Do espólio do museu destacam-se um núcleo capilar e arquitetónico, a arte sacra, o mobiliário, a pintura e várias coleções temáticas oferecidas por particulares.

O núcleo lapidar tem como elementos de relevo uma ara referindo a romana urbe de Ammaia (que alguns estudiosos pretendem associar à origem de Portalegre), várias estrelas sepulcrais medievais, uma pedra de armas da cidade datada de 1590 e vários testemunhos de edifícios entretanto desaparecidos.

Na arte sacra o destaque é dado às peças provenientes do Convento de São Bernardo, onde o museu chegou a estar provisoriamente instalado. Existem também muitas e valiosas peças provenientes do Convento de Santa Clara.

  • Localização: Rua José Maria da Rosa (ver no mapa)
  • Contacto: +351 245 307 525 / museu.municipal@cm-portalegre.pt
  • Horário: Terça a domingo, das 9:30 às 12:30 e das 13:30 às 17:00h (encerra às segundas-feiras e feriados)
  • Preço: Entrada normal 2,10€; Crianças até aos 13 anos estão isentas (acompanhadas por uma adulto e mediante a exibição de documento identificativo); Reformados e estudantes 1€ (esta tabela estava em vigor em 04/12/2018)

Museu de Arte Sacra da Sé de Portalegre

Paramento quinhentista da Sé - pormenor (Museu de Arte Sacra)

O Museu de Arte Sacra é um pequeno espaço museológico instalado no Palácio Episcopal (Sé de Portalegre). Tem como particular motivo de interesse a notável coleção de paramentos ingleses, dos inícios do século XVI. A saber, estes paramentos renascentistas foram adquiridos pelo primeiro bispo de Portalegre, Dom Julião de Alva.

«Paramentos são vestes com que o sacerdote celebra a missa ou outra cerimónia religiosa.»

Em veludo carmesim, bordado a ouro, é constituído por sete peças – casula, dalmáticas, frontal, pano de púlpito e pluvial – decoradas com motivos simbólicos e medalhões tipicamente renascentistas com passos da vida de Cristo.

Dignos de nota nesta coleção são também os núcleos de imaginária – que inclui a efíge da primitiva padroeira do burgo, Santa Maria do Castelo – de ourivesaria, com peças dos séculos XVI a XVIII, e de pintura com os retratos dos primeiros bispos de Portalegre.

As portas desaparecidas são:

  • Localização: Palácio Episcopal, junto à Sé de Portalegre (ver mapa)
  • Atualmente não está aberto ao público

Casa-Museu José Régio

A casa-Museu José Régio está, desde 1927, instalada no edifício que o escritor foi, aos poucos, adquirindo à medida que necessitava de espaço para os objetos que ia adquirindo para a sua coleção particular.

Quando José Régio foi colocado no Liceu Mouzinho da Silveira, em Portalegre, este edifício funcionava como pensão. Então, vindo de Vila do Conde, foi aqui, num humilde quarto, que ficou hospedado.

Casa-Museu Poeta José Régio em Portalegre

Inicialmente tinha apenas o seu quarto e foi alugando mais quartos para acomodar a sua coleção de objetos de artesanato e arte sacra. Finalmente, ficou hóspede único daquela pensão.

Em 1965 vende a sua coleção à Câmara Municipal de Portalegre com a condição desta adquirir o imóvel e transformá-lo num museu digno da coleção que irá exibir.

São 17 salas de exposição em dois pisos com escultura, pintura, faiança, mobiliário, metais, têxteis e registos diversos.

  • Localização: Rua José Régio (ver no mapa)
  • Contactos: +351 245 307 535 – museu.joseregio@cm-portalegre.pt
  • Horário: 9h00 – 12h30 e 13h30 – 17h00 (encerrado segundas-feiras e feriados)
  • Preço: Adultos 2,10€, Estudantes com 13 ou menos anos têm entrada gratuita, Reformados 1€

Museu da Tapeçaria de Portalegre – Guy Fino

É um museu dedicado às Tapeçarias de Portalegre, de forma a preservar e estudar esse importante património artístico da região mas que também é nacional.

Ao atribuir ao Museu de Tapeçaria de Portalegre o nome de Guy Fino pretendeu-se prestar a justa homenagem ao homem que definitivamente integrou Portugal na lista dos grandes produtores internacionais de Tapeçaria.

Sala do Museu da Tapeçaria de Portalegre - Guy Fino

O museu encontra-se dividido em dois núcleos diversos. No piso térreo, é apresentada a componente histórica e os processos técnicos de execução da tapeçaria de Portalegre. O outro núcleo, no piso 1, é dedicado á apresentação de obras de tapeçaria, tentando seguir, tanto quanto possível, uma linha cronológica que acompanha o desenvolvimento desta arte, desde o seu nascimento em Portalegre, em finais dos anos 40 do século XX, até à atualidade.

Podem ser contempladas obras de diversos autores, nacionais e estrangeiros, que têm feito tapeçaria em Portalegre. Destacam-se Almada Negreiros, Guilherme Camarinha, Maria Keil, Júlio Pomar, Vieira da Silva, Maria Velez, Costa Pinheiro, Sá Nogueira, Lurdes de Castro, Eduardo Nery, Menez, Graça Morais, e muitos outros.

Voltar ao índice

Piscinas de Portalegre

Piscina da Ribeira de Nisa

A Piscina da Ribeira de Nisa é uma piscina ao ar livre, aberta ao público, mediante o pagamento de uma pequena taxa.

Piscina fluvial da Ribeira de Nisa em Portalegre

  • Localização: EM 1042 (ver no mapa)
  • Contacto: +351 245 341 560
  • Horário: Das 10:00 às 20:00h (encerra às quartas-feiras)

Piscina Municipal do Reguengo

Excelente piscina para passar um dia com a família, ótima para as crianças, bastante espaço para descansar à sombra das árvores e até fazer um piquenique.

Piscina Municipal do Reguengo

Piscina Quinta da Saúde

Ótima exposição solar, aberta aos portalegrenses e a quem esteja só de visita.

Piscina pública Quinta da Saúde em Portalegre

  • Localização: Estrada da Serra, nº 57 (ver no mapa)
  • Horário: Das 10:00 às 20:00h (encerra à quarta-feira) – apenas época balnear

Concelho de Portalegre

Município de Portalegre no mapa de Portugal

Presidente da Câmara: Adelaide Teixeira

Habitantes: 23.049 (2016)

Área: 447 Km2

Densidade populacional: 51,5 hab/Km2

Feriado Municipal: 23 de Maio

Gentílico: Portalegrense

Nº de Freguesias: 7

Ano da fundação do município: 1259

Código postal: 7300-XXX

Antigo prefixo telefónico: (245)

Município de Portalegre

Lista das Freguesias

O concelho é composto por 7 freguesias:

  • Alagoa
  • Alegrete
  • Fortios
  • Reguengo e São Julião
  • Ribeira de Nisa e Carreiras
  • Sé e São Lourenço (freguesia urbana)
  • Urra

Os números de Portalegre

Município de Portalegre em números 2001 2011 2016 Variação
(2001-2016)
População residente 25.957 24.789 23.049 -11,2%
População jovem (até aos 15 anos) (%) 13,6% 13,2% 12,7% -6,6%
População em idade ativa (15-65 anos) (%) 65,0% 63,2% 61,8% -4,9%
População idosa (mais de 65 anos) (%) 21,4 23,6% 25,6% 19,6%
Índice de envelhecimento (idosos por cada 100 jovens) 157,5 178,7 201,8
Indivíduos em idade activa por idoso 3,0 2,7 2,4 -20,0%
Nascimentos 202 183 194 -4,0%
Óbitos 303 343 311 2,6%
Saldo natural
(diferença entre nascimentos e óbitos)
-101 -160 -117
Sociedades Constituídas 77 49 60 -50,0%
Sociedades Dissolvidas 19 57 56 194,7%
Desempregados inscritos no centro de emprego 924 1.218 892 -3,5%
Estimativa da taxa de desemprego
(Desempregados inscritos por % população em idade ativa)
5,5% 7,8% 6,3% 14,5%
Beneficiários do sub. de desemprego (em % pop. 15 ou mais anos) 209 (0,9%) 512 (2,4%) 312 (1,6%) 49,3%

Consultar análise completa da Pordata

voltar ao índice

Clima e previsão metereológica

A região de Portalegre tem o clima quente e temperado. Como também no resto do país, no inverno verifica-se mais pluviosidade do que no verão. A temperatura média é de 16.0 °C e a pluviosidade média anual de 754 mm. Naturalmente o mês mais chuvoso é janeiro e o mais seco é julho. A temperatura média em agosto (mês mais quente) é de 25ºC e a de Janeiro (mês mais frio) é de 9ºC.

Previsão metereológica para Portalegre

É bom verificar o tempo antes de ir. Por isso deixamos-lhe aqui a previsão do estado do tempo para os próximos três dias na cidade de Portalegre.

Como chegar a Portalegre

Como chegar a Portalegre de carro

Se vier da zona de Lisboa, apanhe o IP7 e tome a direção 7 (Espanha, Évora), e depois siga a saída 7 (Portalegre, Estremoz). Continue no IP2, tome a saída Estremoz/Espanha e siga em direcção a Portalegre.

Se vier da zona do Porto, apanhe a A1 e siga até à saída 7 (Abrantes/Torres Novas). Continue pela A23, siga a saída 15 (Portalegre/Nisa), passe Nisa e prossiga até Portalegre.

Se vier da zona Sul do País, apanhe o I,P1 e siga até à saída 10 (Lisboa/Messines). Prossiga até à saída 7 (Espanha/Évora/Vendas Novas), e apanhe o IP7. Tome a direção 7 (Espanha, Évora), e depois siga a saída 7 (Portalegre, Estremoz), onde deve continuar em frente até chegar a Portalegre. (C.M.Portalegre)

De Comboio

Portalegre é servida pela linha do leste da CP(Entroncamento-Badajoz). A estação ferroviária de Portalegre está situada fora da cidade (ver no mapa) mas é servida por uma via rápida (IP2) com acesso à cidade em 13 minutos. Para programar a sua viagem de comboio consulte o site da CP aqui.

De Avião

Os voos internacionais e domésticos chegam aos aeroporto de Sá Carneiro (Porto), ao aeroporto da Portela (Lisboa) e ao Aeroporto de Faro. A partir daí é necessário utilizar o automóvel ou o comboio para chegar a Portalegre.

Contactos úteis para o visitante

Para qualquer emergência (acidente, incêndio, etc) ligue 112 (para todo o país).

Câmara Municipal de Portalegre

Rua Guilherme Gomes Fernandes (ver no mapa), telefone: +351 245 307 400, visitar website

Hospital Dr. José Maria Grande (Hospital Distrital de Portalegre)

Avenida de Santo António (ver no mapa), telefone +351 245 301 000

PSP – Polícia de Segurança Pública

Praça da República (ver no mapa), Telefone +351 245 300 620

Bombeiros Voluntários de Portalegre

Avenida da Extremadura Espanhola (ver no mapa), telefone +351 245 307 000

Correios (CTT)

Avenida da Liberdade (ver no mapa), telefone +351 245 300 450

Farmácia Elvas

Situada na Rua General Conde de Avilez, nº 18 (ver mapa), telefone 245 330 388, aberta das 8:30 às 19:30h (encerra aos domingos)

Pernoitar em Portalegre

Depois de um dia em cheio a passear pela cidade, a visitar museus, a saborear pratos regionais, chegou o momento de descansar. Apresentamos de seguida algumas sugestões para que esta experiência por Portalegre continue, mesmo enquanto repousa.

Rossio Hotel

O Rossio é um hotel moderno, bem organizado e está localizado no centro da cidade. É também um hotel ecológico pois aproveita e reutiliza a água da chuva para diversas finalidade. Tem também diversos painéis solares que diminuem um pouco a dependência da rede elétrica.

Rossio Hotel em Portalegre

Quem já esteve no alojado neste hotel refere recorrentemente a qualidade das camas. É uma boa noite de sono garantida.

  • Localização: Rua 31 de Janeiro, nº6, 7300-211Portalegre, Portugal
  • Reservar (ou apenas verificar preço e disponibilidade): Booking.com

Hotel José Régio

Com decoração temática sobre o escritor José Régio, é um excelente hotel, localizado no centro da cidade, com staff muito atencioso, simpático e prestável. Inclui todas as comodidades normalmente presentes em hotéis desta categoria como wi.fi, tv por cabo, casa de banho privativa, etc.

Hotel José Régio em Portalegre

Disponibiliza um centro de fitness e, se for essa a sua opção, poderá tomar um pequeno-almoço sem glúten.

  • Localização: Largo António José Lourinho, nº1-5 7300-088 Portalegre, Portugal
  • Reservar (ou apenas verificar preço e disponibilidade): Booking.com

Estalagem da Liberdade

Esta é uma opção economicamente mais acessível do que as duas anteriores. A Estalagem da Liberdade fica relativamente perto do centro (pouco mais de um km da Câmara Municipal de Portalegre). Disponibiliza piscina exterior e um terraço onde poderá apanhar banos de sol ou apenas usufruir das vistas sobre a cidade.

Estalagem da Liberdade em Portalegre Portugal

Os quartos, todos eles, têm casa de banho privativa e televisão por cabo. Está disponível um pequeno-almoço estilo buffet.

  • Localização: Avenida da Liberdade, nº 1, 7300-065 Portalegre, Portugal
  • Reservar (ou apenas verificar preço e disponibilidade): Booking.com

voltar ao índice

Gastronomia de Portalegre

A região de Portalegre apresenta, dadas as suas caraterísticas de solos e clima, uma natural aptidão para a produção de vinhos de grande qualidade. São duas as grandes marcas comercializadas: Adega Cooperativa de Portalegre e Tapada do Chaves. Os tintos aveludados, envelhecendo bem, enquanto os brancos se apresentam secos e de excelente aroma.

As tradições gastronómicas vão de encontro às receitas típicas do Alto Alentejo: a Sopa de Tomate, Alhada de Cação, Sopa de Cachola, Migas com Carne de Porco Frita, Ensopado de Borrego, etc. Naturalmente, deixamos aqui a referência de alguns restaurantes onde poderá degustar as delícias regionais de Portalegre e do Alto Alentejo.

Restaurante Solar do Forcado

De uma família de forcados, predomina aqui a carne bovina. Por esse motivo, o tema do restaurante é o mundo tauromático. Temas e decorações à parte, espetadas na grelha, lombelo de touro de lide, veado estufado com migas ou o leitão assado com arroz de cogumelos são pratos a experimentar.

Restaurante Solar do Forcado em Portalegre - vista do interior

As sobremesas também são divinais. Sericaia com ameixa d’Elvas, Fidalgo (doce de ovos), suspiro de chocolate com gelado de morango e muito mais…

  • Localização: Rua Cândido dos Reis (ver mapa)
  • Contacto: +351 245 330 866
  • Observações: Encerra aos domingos

Restaurante Poeiras

Pratos típicos da região alentejana. Sopa de tomate, açorda alentejana, migas, chocos, carne de porco à alentejana, etc. Comida simples e bem confecionada.

Restaurante Poeiras em Portalegre

  • Localização: Praça da República, 9-15 (ver mapa)
  • Contacto: +351 245 201 862
  • Observações: Encerra às segundas-feiras

voltar ao índice

Referências e bibliografia

Utilizamos diversas fontes para a elaboração deste guia, entre as quais:

  • Cidades e vilas de Portugal – Portalegre, Jorge Rodrigues e Paulo Pereira, 1988 – Editorial Presença
  • História de Portugal, vol. 1, A.H.Oliveira Marques, 1978 – Palas
  • Tratado da Cidade de Portalegre, Diogo Pereira Sotto Maior, 1984 – Imprensa Nacional Casa da Moeda/Câmara Municipal de Portalegre
  • Episódio sobre Portalegre de «A Alma e a Gente» com José Hermano Saraiva (ver vídeo)
  • Câmara Municipal de Portalegre (website)
  • Base de dados dos municípios (Pordata)
  • Google Maps (localização geográfica, mapas, trajetos e fotos)
  • Booking.com (fotografias e informações sobre hotéis e outros alojamentos)
  • Tripadvisor e Google My Business (verificação de avaliações de restaurantes pelos utilizadores)

 

Já temos finalizados os guias de outras cidades alentejanas com o mesmo encanto. O nosso Guia de Elvas dá particular destaque à dimensão militar de Elvas e à sua fortaleza abaluartada. O artigo sobre a cidade de Estremoz contém uma emocionante descrição dos últimos momentos da rainha Santa Isabel, que aqui morreu.

voltar ao índice